• 28 July 2017
  • mairamasiero

A Central de Aulas da Faculdade de Medicina de Botucatu sediou, na tarde da última quinta-feira (27), o II Workshop de Processo de Enfermagem: Ferramenta para Autonomia Clínica, realizado pela Comissão de Sistematização de Assistência de Enfermagem (CSAE) do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Botucatu (HCFMB), pelo Núcleo de Eventos Científicos do Departamento de Gestão de Atividades Acadêmicas (DGAA) e pela Gerência de Enfermagem do Hospital, além do Núcleo de Educação à Distância e Tecnologias da Informação em Saúde (NEAD.TIS) e do Departamento de Enfermagem da FMB.


Equipe Organizadora do Workshop

A condução das atividades ficou à cargo da Enfermeira Ms. Nilza Martins Ravazoli Brito, presidente da CSAE do HCFMB, do Prof. Dr. Rodrigo Jensen, da Prof.ª Dr.ª Cassiana M. B. Fontes (ambos Enfermeiros, docentes do Departamento de Enfermagem da FMB e membros da CSAE) e, coordenando o método, as professoras Doutoras Denise Zornoff e Ana Sílvia Ferreira, Coordenadora e Vice-Coordenadora, respectivamente, do NEAD.TIS. 

Enfermeiros do Complexo HC e alunos de Graduação e Pós-Graduação da FMB nesta área, puderam discutir e refletir sobre a autonomia e vulnerabilidade do enfermeiro na aplicabilidade do processo de Enfermagem.

“Quando o Enfermeiro faz o Processo de Enfermagem (que compreende coleta de dados, diagnóstico, avaliação de resultados e prescrição de atividades), ele consegue fazer um acompanhamento melhor e prestar uma assistência de melhor qualidade, proporcionando maior segurança assistencial. O registro do Processo de Enfermagem no Prontuário Eletrônico do Paciente (PEP) é muito importante para o Hospital, paciente, profissional de Enfermagem e para a pesquisa, e ainda para atender às questões éticas e legais da profissão”, afirma Nilza.

Iniciando as atividades, foi mostrado um vídeo do Conselho Regional de Enfermagem (COREN), em que a conselheira Dra. Consuelo Garcia Corrêa esclareceu pontos do processo de trabalho do Enfermeiro, o planejamento do cuidado, as diferenças entre anotação e evolução de Enfermagem e a estrutura da Sistematização de Assistência de Enfermagem (SAE). “O Uso de classificações em enfermagem pode melhorar a qualidade da documentação clínica do Processo de Enfermagem. O Registro do Processo de enfermagem torna mais evidente o papel clínico do Enfermeiro no cuidado, principalmente no que diz respeito ao raciocínio clínico dele, quando há tomada de decisões. Sempre temos demanda para falar deste assunto, pois é muito complexo e desafiador, tanto para os profissionais quanto para quem estuda o tema”, relatou Dr. Rodrigo.

Após a introdução, um método diferente de Workshop foi apresentado pela Prof.ª Ana Silvia, por um vídeo produzido pelo NEAD.TIS. Ao contrário de aulas dialogadas e expositivas, foi utilizado o método Team Based Learning (TBL) que significa, em Português, aprendizagem baseada em equipes.


Participantes durante atividade do Workshop

O TBL é uma estratégia desenvolvida na década de 1970 por Larry Michaelsen e utilizada, inicialmente, em cursos de Administração. No método, após a leitura prévia do conteúdo abordado (com antecedência mínima de 1 semana), há a realização de um teste individual sem consulta, seguido por uma avaliação em equipe e de um espaço para apelação, em que os participantes podem, num formulário e oralmente, questionar sobre algum ponto na questão ou na alternativa considerada correta.

Num segundo momento, há a apresentação de uma situação-problema e os mesmos grupos discutem qual é a melhor resposta para este caso, mostrando seus palpites simultaneamente em folhas de sulfite. Ao final da aplicação do método, os profissionais presentes no Workshop puderam discutir sobre a sua área de atuação e a importância do cuidado no Processo de Enfermagem, com enfoque na humanização na elaboração da SAE.

“Resolvemos que, neste Workshop, não iríamos realizar uma abordagem unidiretiva, mas uma construção coletiva, e o TBL tem ingredientes para conseguirmos esse resultado. A abordagem deste tema com os Enfermeiros precisava ser feita de uma forma que se propicie um ambiente de compartilhamento de conteúdos, em várias fases de aprendizagem, construindo conhecimentos. O TBL leva o profissional a um momento de reflexão e incentiva-o, de acordo com a Legislação, Código de Ética e a Filosofia institucional, a realizar o seu trabalho de forma mais prazerosa e profissional”, afirmou Dra. Cassiana.

Sobre a Comissão de Sistematização de Assistência de Enfermagem

Segundo a enfermeira Nilza, esta Comissão foi homologada pela Superintendência do HCFMB e possui 20 membros, com a participação de Enfermeiros de todas as especialidades do Hospital. “A Comissão é responsável por tudo que se refere ao processo de Sistematização de Assistência de Enfermagem (SAE) e a aplicação deste processo. Esta Comissão está com um projeto, junto ao CIMED, da alimentação de dados dos registros de Processo de Enfermagem no PEP, com um módulo específico da SAE. Estamos fazendo um trabalho paralelo de alimentação e, terminando esta construção, faremos um treinamento com os Enfermeiros e desenvolveremos, paralelamente, eventos sobre o tema com o objetivo de conscientização, sensibilização da importância do Processo de Enfermagem e o seu registro”, concluiu.