HCFMB promove capacitação de Avaliação do Paciente Queimado para profissionais do Pólo Cuesta

0
55

O Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Botucatu (HCFMB), através do Núcleo Interno de Regulação (NIR) e do Núcleo de Capacitação e Desenvolvimento de Recursos Humanos (NUCADE-RH), promoveu, na tarde desta segunda-feira, 3, uma capacitação de Avaliação do Paciente Queimado. O encontro foi realizado no Salão Nobre da Faculdade de Medicina de Botucatu (FMB) para os profissionais de saúde do Pólo Cuesta.

A mesa de abertura foi composta pelo chefe de gabinete do HCFMB, Dr. José Carlos Souza Trindade Filho; pelo chefe do Departamento de Cirurgia e Ortopedia da FMB, Dr. Aristides Augusto Palhares Neto; pelo diretor do Departamento de Apoio Administrativo à Assistência Dr. Carlos Alberto Macharelli; pela enfermeira e coordenadora do NIR, Janaína Cristina Celestino Santos; e pela cirurgiã plástica e professora da FMB Dra. Madalena Silva, palestrante do dia.

O chefe de gabinete agradeceu a presença e o apoio de todos. “Temos ido às cidades, secretarias e reuniões e discutido com a região para trazer projetos de capacitação. Esta é uma boa forma de nos relacionarmos com a DRS e, consequentemente, melhorar o atendimento do HCFMB”, afirma.

Dr. Palhares Neto falou dos aspectos envolvidos com a família do paciente. “Este é um bom momento para discutir nossas responsabilidades e no que o HCFMB pode contribuir neste momento”, diz. Dr. Macharelli citou a urgência deste tipo de demanda. “Temos que resolver o mais rápido possível e devemos saber até onde podemos ir”, afirma. Janaína salientou as dificuldades encontradas no tratamento e falou da importância da capacitação. “Este tipo de aula é um ganho, tanto para o HC, quanto para a Diretoria Regional de Saúde”, enfatiza.

Depois de um breve relato de seus anos de atuação frente à cirurgia plástica do Hospital, Dra. Madalena iniciou sua palestra abordando sobre os cuidados iniciais, medicamentos, tratamentos tardios, cicatrização, efeitos e curativos. “Se tirássemos as crianças da cozinha na hora de fazer as refeições, haveria uma diminuição entre 75 e 85% das queimaduras domiciliares. E se todo álcool fosse gel no Brasil, o número de casos também teria uma queda significativa”, pontua.

A Dra. ainda assinalou alguns casos mais graves, onde há a necessidade de um tratamento mais específico. “Lesão inalatória, queimaduras elétricas, químicas, por congelamento, associação com patologias prévias, associação a fraturas e politraumas são casos que devem ser levados às unidades de tratamento de queimados”, frisa.

Tadeu Nunes (via 4toques comunicação)

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here