Unidade-Especial-de-Saúde-Sustentável

A Unidade Especial de Saúde Sustentável (UESS) é um serviço vinculado à Superintendência do Hospital das Clínicas e Faculdade de Medicina de Botucatu (HCFMB), formado por uma comissão interdisciplinar coordenada pela Prof.ª Dr.ª Karina Pavão, docente do Departamento de Saúde Pública da FMB.

Desde 2013, o HC faz parte da Rede Global de Saúde sem Dano e do Projeto dos Hospitais Saudáveis (PHS), procurando seguir os 10 objetivos da Agenda Global para Hospitais Verdes e Saudáveis, assim como os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU, da Agenda Global 2030.

O HCFMB, por meio da UESS, participa dos desafios propostos pelo Projeto Hospitais Saudáveis (PHS): Desafio 2020 – A Saúde pelo Clima e Desafio Resíduos e realiza ações voltadas à sustentabilidade e qualidade de vida por meio de iniciativas de uma comissão interdisciplinar.

Em 2017, a Comissão ganhou mais força ao se tornar Unidade Especial de Saúde Sustentável, com o apoio e reconhecimento da Superintendência do HC e, em outubro de 2019 a UESS recebeu um funcionário fixo, Renata Camargo Gomes, para poder articular e avançar com diversos projetos necessários.

Acesse o Regimento Interno da UESS

——————————————————————————————————

SAÚDE SEM DANO

Saúde Sem Dano é uma coalizão internacional de hospitais e sistemas de saúde, profissionais da saúde, grupos da comunidade, sindicatos e organizações ambientalistas que se propõem transformar mundialmente o setor de saúde, sem comprometer a segurança ou o cuidado do paciente, para que seja ecologicamente sustentável e deixe de ser uma fonte de dano para as pessoas e ao meio ambiente. Clique aqui para mais informações!

PROJETO HOSPITAIS SAUDÁVEIS

O Projeto Hospitais Saudáveis (PHS) é uma associação sem fins econômicos, dedicada a transformar o setor saúde em um exemplo para toda a sociedade em aspectos de proteção ao meio ambiente e à saúde do trabalhador, do paciente e da população em geral.

A assistência à saúde, como toda atividade produtiva, gera impactos ambientais e sanitários. No Brasil, assim como em diversas partes do mundo, esses impactos são agravados pela precariedade da infra-estrutura nas regiões mais pobres e pela falta de informação e de ações coordenadas.

O Projeto Hospitais Saudáveis (PHS) tem como missão fundamental transformar o setor saúde em um exemplo para toda a sociedade em aspectos de proteção ao meio ambiente e à saúde do trabalhador, do paciente e da população em geral, e realiza sua missão através de uma agenda com objetivos e metas.

Apoiando esta agenda e se comprometendo em iniciar a implementação de, ao menos, dois dos objetivos nela estabelecidos, hospitais e sistemas de saúde automaticamente se incorporam à rede (sem nenhum custo), melhorando seu desempenho ambiental e dando sua contribuição para a saúde ambiental ano após ano.

A Rede Global de Hospitais Saudáveis é um projeto da Saúde Sem Dano (SSD) e serve como uma comunidade virtual para os hospitais e os sistemas de saúde que se propuserem a implementar e desenvolver a Agenda, registrando seu avanço por meio de resultados mensuráveis enquanto compartilham as melhores práticas e encontram soluções para desafios comuns.

Para apoiar esta agenda e se incorporar ao Projeto dos Hospitais Saudáveis (PHS), obter a lista de membros existentes e também conhecer mais sobre os Projetos do PHS, clique aqui!

Membros da Comissão da Unidade Especial de Saúde Sustentável (UESS):

Karina Pavão Patrício – Coordenadora
FMB – Saúde Pública
karina.pavao@unesp.br

Cláudia da Motta Nanzer
HCFMB – Serviço Técnico de Nutrição e Dietética
E-mail: claudia.motta@unesp.br

Cristiane R. Fortaleza
HCFMB – Núcleo de Higienização
E-mail: cristiane.fortaleza@unesp.br

Darlene Bravim Cerqueira
HCFMB – Gerente do Núcleo das Unidades Especiais da Gerência de
Enfermagem
E-mail: bravim.cerqueira@unesp.br

Fábio Suraci Picchiotti
HCFMB – SESMT
E-mail: fabio.picchiotti@unesp.br

Gilberto Mariano Tevório Junior
HCFMB – Engenharia
E-mail: g.tenorio@unesp.br

Karen Aline Batista Da Silva
Superintendência HC
E-mail: karen.batista@unesp.br

Karina Martins Barduco
HCFMB – Núcleo de Higienização
E-mail: karina.temibrela@gmail.com

Maíra Masiero
HCFMB – Núcleo de Comunicação, Imprensa e Marketing
E-mail: maira.masiero@unesp.br

Patrícia Maria Moratelli
HCFMB – Diretora do Departamento de Compras, Abastecimento e
Infraestrutura
E-mail: pmmoratelli@gmail.com

Patrícia P.M.Paschoalotti
HCFMB – Engenharia
E-mail: patricia.paschoalotti@unesp.br

Renata de Camargo Gomes
HCFMB – UESS
E-mail: rc.gomes@unesp.br

Tem, por finalidade, promover a saúde ambiental e sustentabilidade dentro do HCFMB seguindo a definição da OMS, na qual saúde ambiental refere-se à teoria e à prática de valorar, corrigir, controlar e evitar aqueles fatores do meio ambiente que, potencialmente, possam prejudicar a saúde das gerações atuais e futuras.

Também respeitando os conceitos de saúde planetária e saúde sustentável, propondo que profissionais da saúde cuidem da saúde humana avaliando o impacto de suas ações no meio ambiente, minimizando os danos ambientais.

A saúde planetária é a busca do mais alto padrão atingível de saúde, bem-estar e equidade em todo o mundo através da atenção judiciosa aos sistemas humanos – políticos, econômicos e sociais – que constroem o futuro da humanidade e dos sistemas naturais da Terra e que definem os limites seguros dentro dos quais a humanidade pode florescer.

A importância da questão ambiental, relacionada ao movimento pela promoção da saúde, vem fortalecendo a introdução de novas abordagens no campo da gestão da saúde pública que buscam a integração de aspectos ambientais e sociais no entendimento de problemas de saúde da população.

AGENDA GLOBAL

Para planejar o caminho em direção a um hospital mais sadio, sustentável e econômico, os projetos da UESS se pautam na Agenda dos Hospitais Saudáveis (PHS).

A Agenda Global se propõe a oferecer apoio a iniciativas em todo o mundo, visando promover maior sustentabilidade e saúde ambiental no setor saúde e assim fortalecer os sistemas de saúde em nível global. É baseada em 10 objetivos interligados que incentivam uma série de ações que podem ser implementadas, tanto por hospitais, quanto por sistemas de saúde.

LIDERANÇA: Priorizar a saúde ambiental como um imperativo estratégico

Manifestar apoio da liderança aos hospitais verdes e saudáveis, a fim de criar uma mudança de cultura organizacional em longo prazo; alcançar uma ampla participação dos trabalhadores do setor saúde e da comunidade; e fomentar políticas públicas que promovam a saúde ambiental.

SUBSTÂNCIAS QUÍMICAS: substituir substâncias químicas perigosas por alternativas mais seguras

Melhorar a saúde e a segurança dos pacientes, dos trabalhadores, das comunidades e do meio ambiente utilizando substâncias químicas, materiais, produtos e processos mais seguros, indo além das exigências de conformidade ambiental.

RESÍDUOS: Reduzir, tratar e dispor, de forma segura, os resíduos de serviços de Saúde

Proteger a saúde pública reduzindo o volume e a toxicidade dos resíduos produzidos pelo setor saúde, implementando ao mesmo tempo as opções ambientalmente mais apropriadas de gestão e destinação dos resíduos.

ENERGIA: implementar eficiência energética e geração de energias limpas renováveis

Reduzir o uso de energia proveniente de combustíveis fósseis como forma de melhorar e proteger a saúde pública; promover a eficiência energética, bem como o uso de fontes renováveis, visando, em longo prazo, obter 100% das necessidades de energia obtidas de fontes renováveis geradas no hospital ou na comunidade.

ÁGUA: reduzir o consumo de água e fornecer água potável

Implementar uma série de medidas de conservação, reciclagem e tratamento que reduzam o consumo de água dos hospitais e a poluição por águas residuais. Estabelecer a relação entre a disponibilidade de água potável e a resiliência dos serviços de saúde para suportar problemas físicos, naturais, econômicos e sociais. Promover a saúde pública e ambiental fornecendo água potável para a comunidade.

TRANSPORTE: melhorar as estratégias de Transporte para Pacientes e Funcionários

Desenvolver estratégias de transporte e de assistência à saúde que reduzam a pegada de carbono dos hospitais e sua parcela de contribuição para a poluição local.

ALIMENTOS: comprar e oferecer alimentos saudáveis e cultivados de forma sustentável

Estimular hábitos alimentares saudáveis entre os pacientes e funcionários. Favorecer o acesso a alimentos produzidos localmente e de forma sustentável na comunidade.

PRODUTOS FARMACÊUTICOS: prescrição apropriada, administração segura e destinação correta

Reduzir a poluição por produtos farmacêuticos diminuindo as prescrições desnecessárias, minimizando a destinação inadequada de resíduos farmacêuticos, promovendo sua devolução aos fabricantes e pondo fim ao dumping – medicamentos na forma de ajuda a catástrofes.

EDIFÍCIOS: apoiar projetos e construções de Hospitais Verdes e Saudáveis

Transformar os hospitais em um local mais saudável para funcionários, pacientes e visitantes, mediante a incorporação de práticas e princípios de edifícios ecológicos no projeto e na construção de unidades de saúde.

COMPRAS: comprar produtos e materiais mais seguros e sustentáveis

Comprar materiais produzidos de maneira sustentável através de cadeias de suprimentos social e ambientalmente responsáveis.

SAÚDE SEM DANO

Coalizão internacional de hospitais e sistemas de saúde, profissionais da saúde, grupos da comunidade, sindicatos e organizações ambientalistas que se propõem transformar mundialmente o setor de saúde, sem comprometer a segurança ou o cuidado do paciente, para que seja ecologicamente sustentável e deixe de ser uma fonte de dano para as pessoas e ao meio ambiente.

Link para acesso a mais informações: https://saudesemdano.org/

—————————————————————————————————

A SAÚDE PELO CLIMA

O Desafio A Saúde pelo Clima é uma campanha internacional coordenada pela Rede Global Hospitais Verdes e Saudáveis, que visa mobilizar organizações de saúde ao redor do mundo a tomar medidas concretas contra as mudanças do clima e em defesa da saúde pública ambiental. O HC de Botucatu aderiu a este Desafio em 2015 e desde então, como todas as outras instituições participantes desta rede, precisa:
– Se comprometer em reduzir suas emissões de gases do efeito estufa e estabelecer metas de redução das emissões destes gases para o ano de 2020 em 30%;
– Compartilhar dados do progresso na gestão de suas emissões ao longo do tempo.

Para realizar o cálculo das emissões de GEE é utilizada uma ferramenta, que é uma planilha de Excel elaborada pelo Programa Brasileiro GHG Protocol, iniciativa do Centro de Estudos em Sustentabilidade da Fundação Getúlio Vargas (GVces), com o objetivo de conhecer e mensurar as emissões de GEE de organizações dos mais diversos setores. Essa planilha é classificada em três escopos:

Devido à relevância deste assunto, foi criada em 2019 uma Comissão de Gases de Efeito Estufa e demais gases do HCFMB, para elaborar estratégias que visem controlar e diminuir as emissões de GEE no HC de Botucatu, em especial o óxido nitroso. Mais informações sobre o desafio Saúde pelo Clima podem ser obtidas clicando aqui!

—————————————————————————————————

DESAFIO RESÍDUOS

O Desafio Resíduo é uma iniciativa da Rede Global Hospitais Verdes e Saudáveis e da organização internacional Saúde Sem Dano, e é conduzido no Brasil pelo Projeto Hospitais Saudáveis.

O Desafio Resíduo tem como principais metas mobilizar o setor saúde brasileiro para aprimorar suas práticas de gestão, reduzindo a geração total de resíduos, ampliando a reciclagem dos resíduos que não puderem ser evitados e reduzindo a proporção de resíduos perigosos que necessitam tratamento especial, por meio do aprimoramento, seguro e racional, das práticas de segregação.

Trata-se, sem dúvida, de um grande desafio para todos os portes e tipos de organizações de saúde, envolvendo esforços de todos os trabalhadores, profissionais e gestores, bem como o alinhamento de estratégias e o empenho de recursos operacionais, financeiros e de conhecimento.

Sabemos que o bom gerenciamento dos RSS pode conciliar redução de custos com benefícios ambientais, sanitários e de segurança para o trabalhador e o paciente. Esperamos que o Desafio Resíduo seja um importante catalizador de melhorias e uma ferramenta útil às organizações de saúde brasileiras. O HCFMB aderiu a este Desafio em 2016.

Mais informações sobre o Desafio resíduos podem ser obtidas clicando aqui!

—————————————————————————————————

PAPAPILHAS

A contaminação do solo e lençóis freáticos são algumas consequências do descarte incorreto de pilhas e baterias usadas. Algumas destas são compostas de metais pesados (como o chumbo, mercúrio, níquel e cádmio), que são capazes de causar doenças renais, cânceres e problemas relacionados no sistema nervoso central.

O descarte inapropriado faz com que as pilhas fiquem expostas para sofrer deformações em suas cápsulas, acarretando no vazamento do lixo tóxico composto em seu interior. O líquido presente no interior dos dispositivos se trata de um produto não biodegradável e sem decomposição, que ocasiona a contaminação quando é despejado sob o solo, lençol freático, rios e o percurso d’água, sendo prejudicial à hidrografia e à agricultura, o que causa danos irreparáveis no meio ambiente e plantações.

Na saúde humana, a contaminação que o contato com esses materiais gera, são no desenvolvimento de graves e sérias doenças. Dentre elas, estão diversas mutações genéticas, problemas em todo o sistema nevoso central e, se não for detectado rapidamente, a contaminação pode levar até o câncer.

A UESS implantou nas dependências do HC desde 2018 a campanha do Papapilhas (latas identificadas para a correta coleta de pilhas e baterias) nos diversos setores do HC. O material coletado é encaminhado para a Secretaria do Verde, para a correta destinação, para uma empresa certificada (programa da Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica – Abinee) que consegue reciclar quase 95% dos materiais das pilhas e baterias.

Quantidade de pilhas recolhidas e encaminhadas para Secretaria do Verde:

Veja a animação produzida pelo NEAD FMB sobre o tema!

Para a continuidade do Projeto, é preciso que todos colaborem descartando suas pilhas e baterias usadas nos Papapilhas espalhados pelo HC, não colocando nestes potes outros materiais, como lixo, clipes, etc. Faça a sua parte!

—————————————————————————————————

COMPOSTAGEM COM RESÍDUO DE ALIMENTOS DA COZINHA DO HC E FEIRA

Todo o resíduo de alimento da Cozinha do HC (em torno de 75 Kg por dia e 27.422,74 Kg no ano de 2019) foi destinado a agricultores que utilizam este resíduo para compostagem e produção de alimentos orgânicos.

O objetivo deste projeto é buscar a sustentabilidade sócio-ambiental, por meio de incentivo ao consumo de alimentos agroecológicos livres de agrotóxicos e produzidos por agricultores familiares locais. Desde 2014, o HC já enviou para compostagem 154,43 toneladas de resíduos orgânicos, que deixaram de ir para o aterro sanitário.

Barracas do projeto “É dia de feira no Campus da Unesp” – Foto: Tadeu Carvalho / FMB

Todos os meses, ocorre, no gramado da Biblioteca do Campus, o projeto “É Dia de Feira do Campus da Unesp” (confira o vídeo clicando aqui), com mais de 15 agricultores vendendo alimentos e produtos orgânicos. A feira é uma estratégia de promoção e incentivo à segurança e soberania alimentar para funcionários, alunos, pacientes e de quem visita o campus. Além disso, permite a aproximação de pequenos produtores e consumidores, reduz intermediários na cadeia de consumo, estimula a continuidade da produção e garante o acesso a alimentos com preços mais justos.

 

—————————————————————————————————

BOLSAS PARA SEMINÁRIOS/CONGRESSOS E OUTROS PRODUTOS FEITOS COM TECIDO TNT / RESÍDUO DO CENTRO CIRÚRGICO (PARCERIA COM A OFICINA TERAPÊUTICA ESTAÇÃO GIRASSOL)

Desde 1998, a Oficina Terapêutica Estação Girassol, serviço público de saúde mental vinculado ao CAIS Professor Cantídio (SES-SP), integra a Rede de Atenção Psicossocial (RAPS) regional, oferecendo oficinas terapêuticas para cerca de 100 usuários adultos com transtornos mentais, com vistas à reabilitação psicossocial.

Atualmente, quinze profissionais (psicólogo, terapeutas ocupacionais e monitoras) trabalham na instituição para organizar e oferecer cinco modalidades de oficinas: oficinas expressivas (destinadas a expressão subjetiva, como dança, arte terapia e música), oficina de alfabetização, oficinas de saúde e bem estar (voltadas para nutrição, uso de plantas medicinais e relaxamento), oficinas de lazer e cultura (festas e passeios) e oficinas de geração de renda (produção de horta e artesanato, cuja comercialização é realizada pelos próprios usuários).

As oficinas de geração de renda compõem as estratégias de reabilitação psicossocial previstas na Portaria 3.088, que institui a RAPS e objetivam o protagonismo para o exercício dos direitos de cidadania de usuários e familiares da rede de saúde mental, por meio da criação e desenvolvimento de iniciativas articuladas com os recursos do território. É importante ressaltar que as estratégias de reabilitação psicossocial e de protagonismo não se restringem a um ponto de atenção ou ações isoladas, mas envolvem a criação de novos campos de negociação e formas de sociabilidade, como a organização de feiras, espaços de comercialização e de exercício da contratualidade.

Dentre as oficinas de geração de renda, a oficina de costura realiza desde 2018 um projeto em parceria com a UESS do HCFMB, produzindo bolsas para Congressos com um tecido não tecido (TNT), entre outros materiais, utilizando embalagens de material cirúrgico que, antes, eram descartadas pelo Centro Cirúrgico do Hospital.

Em 2019, foram produzidas 750 bolsas, que atenderam a demanda de diversos eventos científico-acadêmicos organizados pelo Departamento de Gestão de Atividades Acadêmicas  (DGAA) do HC, e beneficiando diretamente 8 costureiras usuárias da Oficina Terapêutica Estação Girassol e, de forma indireta, todos os outros usuários das oficinas de geração de renda, pois 50% do valor de qualquer encomenda é distribuído como Bolsa Oficina, de acordo com a frequência e envolvimento nas atividades.

—————————————————————————————————

SEMANA DO MEIO AMBIENTE E SAÚDE

Desde 2016, a UESS em parceria com a Comissão de Ética Ambiental (CEA) da FMB realizam e promovem a Semana do Meio Ambiente, em comemoração ao Dia Internacional do Meio Ambiente, celebrado em 5 de Junho. Durante a Semana, há debates e oficinas sobre os seguintes assuntos: mudanças climáticas, resíduos sólidos, energia limpa, alimentação sustentável, dentre outros. O objetivo é conscientizar a comunidade unespiana sobre a importância da sustentabilidade e da preservação do meio ambiente, a fim de promover mais saúde e qualidade de vida para as pessoas.

Esta Agenda foi proposta pela ONU em 2015 a todos chefes de estado e governo mundialmente, abrangendo 17 objetivos (saiba mais no site das Nações Unidas clicando aqui!), sendo um plano de ação para as pessoas, para o planeta e para a prosperidade.

 

 

 

 

Por meio destes objetivos, estimula-se que todos adotem medidas ousadas e transformadoras que são urgentemente necessárias para direcionar o mundo para um caminho sustentável e resiliente.

Estes objetivos caminham para concretizar os direitos humanos de todos e alcançar a igualdade de gênero e o empoderamento das mulheres e meninas. Eles são integrados e indivisíveis, e equilibram as três dimensões do desenvolvimento sustentável: a econômica, a social e a ambiental.

Semana do Meio Ambiente – junho de 2019

Participação no 12º Seminário de Hospitais Saudáveis (2019)

VÍDEO DE SENSIBILIZAÇÃO – RESÍDUOS NO HCFMB

Este vídeo, produzido pelo projeto Sustenta Saúde como forma de sensibilização, mostra a importância do descarte correto de resíduos para o nosso HCFMB e para o nosso planeta. Link para o vídeo (https://www.youtube.com/watch?v=nsagFwK2t2s)

GUIA DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL

Guia Inglês

Guia Português

—————————————————————————————————

SUSTENTA NA MÍDIA – TV TEM

A equipe da TV Tem esteve no HCFMB e registrou como funciona a rede mundial de Hospitais Verdes e Saudáveis, da qual o Hospital participa, e todos os seus benefícios para a comunidade.

Esta matéria foi exibida no dia 12 de dezembro de 2016, no Bom Dia Cidade. Assista ao vídeo clicando aqui!

—————————————————————————————————

SUSTENTA NA MÍDIA – TV USP PIRACICABA

No mês de abril de 2016, a professora Karina Pavão Patrício, docente do Departamento de Saúde Pública da Faculdade de Medicina da UNESP/Botucatu e coordenadora do Sustenta Saúde, participou do programa Diálogos Sustentáveis, da TV USP Piracicaba, que tratou sobre a geração e destinação dos Resíduos Sólidos, assunto que possui implicações diretas na qualidade de vida de toda a sociedade. Dentre outros assuntos, foi discutido também o impacto dos resíduos sólidos na esfera da Saúde Pública.

O programa na íntegra pode ser visto clicando aqui!

Coordenadora da UESS: Prof.ª Dr.ª Karina Pavão Patrício
E-mail: karina.pavao@unesp.br

Renata de Camargo Gomes
E-mail: rc.gomes@unesp.br

Telefone: (14) 3811-6230, ramal 214