“Não estamos vivendo uma pandemia de H1N1”, diz especialista do HC de Botucatu

0
3435

Médicos representantes do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Botucatu (HCFMB) e o secretário Municipal de Saúde, Cláudio Lucas Miranda conversaram na manhã de ontem, 1º de abril, com jornalistas durante coletiva de imprensa concedida no prédio da Faculdade de Medicina de Botucatu/Unesp (FMB). O encontro teve como objetivo apresentar informações sobre prevenção e combate ao vírus H1N1, além dos casos de gripe que têm aumentado a procura pelas unidades de urgência e emergência da cidade.

O H1N1 é uma variação da gripe comum. O vírus da gripe é muito propenso a sofrer mutações e, ao longo dos anos, o ser humano passa a adquirir essas “variações” da gripe. Em geral, é uma doença de variação leve a moderada, evoluindo esporadicamente para casos graves. É isso que explica o médico infectologista e vice-chefe do Departamento de Doenças Tropicais e Diagnóstico por Imagem da Faculdade de Medicina de Botucatu/Unesp (FMB), Carlos Magno Fortaleza. “O H1N1 nada mais é que a evolução da gripe. Sua principal forma de transmissão é pelo ar. A proporção de casos que evoluem para caso grave é muito pequena. Não estamos em uma pandemia da doença, como ocorreu em 2009”, diz.

As maneiras de prevenção são simples. “O primeiro passo para evitar a gripe é a prevenção. Além da vacina, é importante ter uma dieta bastante saudável, deixar os ambientes arejados, incluir o álcool em gel no cotidiano, usar lenço descartável para espirrar ou tossir e não sair de casa se estiver doente, orienta Fortaleza.

Na coletiva, o secretário Municipal da Saúde de Botucatu, Cláudio Lucas Miranda, destacou a importância do paciente, ao identificar os sintomas da gripe, procurar primeiramente uma Unidade Básica de Saúde (UBS). “É importantíssimo que as pessoas procurem a UBS mais próxima de sua residência para o primeiro atendimento. É nessa hora que a equipe vai avaliar se esse paciente está em estado grave. Os casos mais simples são tratados no próprio posto de saúde e os mais graves encaminhados ao Pronto Socorro Municipal”, diz.

O secretário também lembrou que, havendo avaliação correta dos casos, o atendimento nas UBS e no Pronto-Socorro Adulto só tende a ser melhor e mais ágil. “Os pacientes devem procurar o pronto-socorro apenas nos casos de gravidade”, afirma.

O diretor do Departamento Assistência à Saúde do HCFMB, Prof. Dr. José Carlos S. Trindade Filho, comenta o aumento da demanda do Pronto Socorro Municipal neste mês de março. “Na última semana, passamos de 250 a 350 casos atendidos ao dia. É importante informar que, onde as pessoas se acumulam, o risco de contaminação é maior. É preciso que o paciente tenha tranquilidade ao procurar atendimento, para que o diagnóstico seja feito corretamente”, orienta.

Trindade Filho destacou que o HCFMB está devidamente preparado e organizado em caso de diagnóstico de H1N1. “O Hospital já tem em nosso Pronto Socorro uma área devidamente isolada para tratar qualquer caso grave que chegue ao nosso Pronto Socorro”, conclui.

A campanha de vacinação contra a gripe de 2016 deve ser antecipada. “A princípio, a campanha nacional continua com início em 30 de abril, mas estamos tentando antecipá-la na cidade. Se isso acontecer, informaremos imediatamente”, avisa Dr. Cláudio. A vacinação gratuita é destinada ao chamado “grupo vulnerável”: gestantes, obesos mórbidos, menores de dois anos, portadores de doenças crônicas e pessoas com problemas de imunidade.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here