O uso de repelentes pode ajudar a evitar contaminação pela dengue e zika vírus

0
1459

Segundo dados atualizados do Ministério da Saúde (MS), em 2015 foram relatados 2.975 casos suspeitos de microcefalia em recém-nascidos no país. O maior número de casos foi registrado em Pernambuco (1.153), ou seja, 38,76% dos casos. Em seguida, estão os estados da Paraíba (476), Bahia (271), Rio Grande do Norte (154), Sergipe (146), Ceará (134), Alagoas (129), Maranhão (94) e Piauí (51).273103_569887_nova_imagem

Esses casos estão relacionados a um velho vilão da saúde brasileira: o Aedes aegypti. Segundo o MS, além de transmitir a dengue, doença que só esse ano fez 1.587.080 de vítimas, sendo que foram confirmados 1.529 casos de dengue hemorrágica, ele também transmite o vírus Zika, que atualmente é relacionado ao número expressivo de casos de microcefalia e a febre chikungunya.

Segundo o dermatologista e chefe do ambulatório de Colagenoses do Departamento de Dermatologia e Radioterapia da Faculdade de Medicina de Botucatu Unesp, Hélio Miot, os repelentes ajudam na prevenção dessas doenças, porém é preciso atentar para o tipo específico de repelente para afastar o Aedes aegypti. “Os repelentes ajudam, sim, a nos proteger da picada, pois desorientam os mosquitos-fêmea que procuram os mamíferos para sugar o sangue, orientados por odores do corpo”, explica.

Miot aproveita para elucidar que existem alguns cuidados a serem tomados antes de comprar os repelentes. “Repelentes industriais não são recomendados para crianças abaixo dos 2 meses de idade. Existem, ainda, alguns produtos que são indicados apenas para pessoas acima dos 2 anos, e repelentes à base de DEET não devem ser utilizados em pessoas com pele sensível. O ideal é que as pessoas leiam o rótulo atentamente para verificar quais são as indicações de uso”, salienta.

Ele também explica que os repelentes mais seguros para uso das grávidas são os que contém o princípio ativo Icaridina. Segundo o MS, as gestantes cujos bebês desenvolveram a microcefalia tiveram sintomas do vírus Zika no primeiro trimestre da gravidez. Mas o cuidado para não entrar em contato com o mosquito Aedes aegypti é para todo o período da gestação. Já as pessoas que não estão grávidas podem usar repelentes com outros princípios ativos, como DEET e o IR3535.

O médico alerta que, apesar de não existir nenhum caso de microcefalia relacionado com o vírus Zika na região de Botucatu, sempre existe a possibilidade de contaminação, pois pode haver a migração e, assim, a contaminação dos mosquitos. Ele ainda salienta que a prevenção às doenças transmitidas pelo Aedes aegypti é a destruição dos focos de criadouro e o uso de repelentes.

Para eliminar os criadouros do mosquito, é preciso descartar corretamente latas e garrafas, limpar calhas entupidas, não deixar caixas d’água destampadas, pneus e vasos de plantas. É preciso guardar corretamente ou descartar todo e qualquer recipiente que possa acumular água, pois as larvas são depositadas pela fêmea do Aedes aegypti em ambientes com água parada.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here