Projeto do HC vai ajudar a divulgar informações sobre a Esclerose Múltipla

0
3111
Neurologista do HCFMB, Dr. Fernando Coronetti Gomes da Rocha.

Unidade realizará um trabalho especializado de conscientização nas redes sociais e na Associação de Portadores de Esclerose Múltipla de Botucatu e Região

No dia 30 de agosto, comemora-se o Dia Nacional de Conscientização sobre a Esclerose Múltipla. Celebrada pela primeira vez em 2006, a data foi fruto de uma iniciativa da ABEM – Associação Brasileira de Esclerose Múltipla, existente há mais de 30 anos.

Em conjunto com as ações da ABEM, o Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Botucatu (HCFMB) realizará um trabalho especializado de conscientização nas redes sociais e na Associação de Portadores de Esclerose Múltipla de Botucatu e Região. “Estimulei a ideia de divulgar à população o que é esclerose múltipla, seus sintomas e tratamento por meio das redes sociais para impactarmos milhares de pessoas. Estamos gravando um vídeo que será apresentado no dia 30 de agosto”, conta o neurologista do HCFMB Fernando Coronetti Gomes da Rocha.

Para tratar a doença, o HCFMB dispõe de todos os recursos em exames, tais como ressonância magnética, líquido cefalorraquidiano, potencial evocado, além de diversos exames laboratoriais. O Hospital dispõe ainda de diversas terapias para os surtos inflamatórios da doença e aplicações com corticoides injetáveis para reduzirem os surtos e a progressão.

A maioria dos medicamentos utilizados no tratamento são fornecidos pelo Sistema Único de Saúde (SUS).”Os neurologistas brasileiros estão alinhados com os do primeiro mundo na abordagem da esclerose múltipla (EM) e procuramos tratar os pacientes com a melhor terapêutica possível para cada caso. Diversas universidades do nordeste, centro-oeste, sudeste e sul do Brasil estão envolvidas em pesquisas com a esclerose múltipla”, destaca o especialista.

Na USP de Ribeirão Preto, por exemplo, há uma linha de pesquisa com células-tronco hemotopoéticas com bons resultados. No Hospital das Clínicas de Porto Alegre, há estudos com farmacoeconomia e na Universidade Federal de Uberlândia, com qualidade de vida. “No HC de Botucatu estamos participando de cinco pesquisas, envolvendo genética, biomarcadores, adesão terapêutica, eventos adversos e alterações cognitivas. Em breve, devemos iniciar mais oito projetos, sendo um deles com novo medicamento e três com novas tecnologias” revela Coronetti.

Atendimentos

No dia-a-dia, o HCFMB conta com procedimentos que introduzem dispositivos eletrônicos via intratecal (na coluna) para alívio de dores crônicas ou de contraturas excessivas. Há em torno de 400 pacientes com esclerose múltipla cadastrados no Ambulatório de Neuroimunologia do HCFMB. Semanalmente, são atendidos aproximadamente 20 pacientes no ambulatório e de 10 a 15 pessoas no CEDMAC (Centro de Infusão).
Sobre a Esclerose Múltipla

A Esclerose Múltipla é uma das doenças neurológicas mais comuns em adultos jovens, com incidência entre 15 a 50 anos de idade. Foi descoberta em 1868 pelo neurologista francês Jean Charcot, que a chamou de Esclerose em Placas. É uma doença crônica que contribui para uma deficiência neurológica e, em longo prazo, para a invalidez.

Nesta enfermidade, surgem placas inflamatórias que destroem a camada que recobre e isola as fibras nervosas (camada de mielina) do Sistema Nervoso Central. A Esclerose Múltipla não tem cura e pode se manifestar por diversos sintomas, como por exemplo: fadiga intensa, depressão, fraqueza muscular, alteração do equilíbrio da coordenação motora, dores articulares e disfunção intestinal e da bexiga.

O diagnóstico é feito através da história clínica detalhada, associada ao exame clínico e neurológico completos e confirmados por três exames laboratoriais complementares: ressonância magnética, punção lombar e potencial evocado.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here